Havia uma maldição. Havia uma garota. Houve um túmulo.
Aprendi que assim como nos desenhos animados, não podemos olhar para baixo enquanto corremos, podem haver abismos. Abismos tão fundos a ponto de fazer aquele sonzinho de caída por um tempo longo e interminável. Não haverá mão que irá te alcançar. Você irá olhar para cima e gritar "socorro, socorro" mas ninguém irá te escutar, porque o som se abafa com seu sorriso e os seus "estou bem"
- Caroline Pádua

DESIGN BY ©
1 2 3 4

De repente. Puf. Tudo acabou.
Quem é você, Alasca?   (via pronuncio)

Pode alguém roubar a felicidade?
A menina que roubava livros.  (via pronuncio)

Quando tínhamos cinco anos, perguntavam o que queríamos ser ao crescermos. Respondíamos coisas do tipo astronauta, presidente. Ou no meu caso, princesa. Quando tínhamos dez anos, perguntavam de novo. Respondíamos astro do rock, caubói. Ou no meu caso, medalhista de ouro. Mas agora que crescemos, querem uma resposta séria. Bem, que tal está? “Sei lá!”. Não é hora de tomar decisões difíceis e rápidas. É hora de cometer erros. Pegar o trem errado e ficar preso em algum lugar. Apaixonar-se. Muitas vezes. Especializar-se em Filosofia, pois não dá para ganhar a vida com isso. Mudar de ideia e mudar de novo, porque nada é permanente. Cometam todos os erros que puderem. Assim, um dia, quando perguntarem o que queremos ser, não precisaremos adivinhar. Saberemos.
Eclipse. (via acrescentada)

Mas é engraçado, o amor não dói. E não, não me faça essa cara de espanto, eu repito: o amor não dói. O ciúme, a insegurança, a desconfiança, a falta de, o medo de perder a pessoa amada, o medo de amar, o medo de nunca ter sentido tamanha felicidade na vida inteirinha, isso sim dói. O amor, amor como sentimento, amor como coisa plena, amor como som no peito, amor como sorriso no olho, amor como poesia na boca, amor como amor, esse não dói.
Clarissa Corrêa.    (via conspirante)

É o jeito, o cheiro, o modo de vestir. Como caminha, como olha, como para. Não sei, eu amo.
Gabito Nunes.  (via conspirante)

Tenho medo de decepcionar as pessoas, de magoá-las, de fazê-las cansarem de mim. Só queria que elas também tivessem esse medo.